Precisa de um bom marceneiro em São Paulo, mas não sabe por onde começar? Não tem tempo de procurar por um ideal? Não se abale e respire fundo porque a solução dos seus problemas está mais próxima do que você imagina. 

Viver em uma grande metrópole envolve uma rotina mais agitada e, consequentemente, menos tempo de dedicação às questões domésticas. Está tudo bem, mas é preciso saber conciliar as duas coisas para que nada fique de stand by. Sabe aquele cantinho do quarto que você prometeu instalar um armário novo, porém já se passaram meses e ainda não cumpriu? Talvez seja hora de resolver isso. 

Dar uma repaginada na casa é sempre bom e envolve reparos, pintura, decoração, arrumação e, eventualmente, móveis novos. Nesse caso, as pessoas costumam ou comprar em lojas de móveis já prontos ou mandar fazer com marceneiros, com a vantagem de ter tudo sob medida e do jeitinho que você quiser.

Aposto que você já pensou em ter aquela cozinha toda planejada, ou uma cama de madeira do tamanho ideal. O marceneiro é o profissional certo nesses casos. Algumas lojas de móveis podem também oferecer ambientes planejados como cozinhas, quartos e banheiros, mas costumam ter preços mais salgados e materiais que podem não ser da qualidade desejada.

Se você está precisando dos serviços de um marceneiro, separamos algumas dicas de como encontrar um bom em São Paulo. Veja!

Material: que tipo de madeira o marceneiro deve usar

O trabalho do marceneiro está ligado à fabricação de móveis e segue uma lógica mais voltada ao trabalho artesanal do que ao industrial, por isso cada detalhe se torna mais importante ao não passar por uma padronização e tudo costuma ser muito autêntico e exclusivo.

O profissional da marcenaria é um especialista em transformar peças de madeira em objetos úteis, são verdadeiros artistas com suas técnicas de cortar, entalhar e encaixar peças que podem virar, por exemplo, um lindo armário embutido, um dos sonhos de consumo de muita gente.

Os marceneiros costumam manipular madeiras de vários tipos como compensados, aglomerados, e o famoso MDF. Antes de pedir a fabricação de um móvel você vai precisar definir qual material funciona melhor para o uso que você vai fazer daquele objeto. Para isso, veja quais são os principais tipos de madeira usadas, os seus prós e contras. 

Madeira Maciça

Essa tipo de madeira é de alta qualidade, pois está em seu estado puro, sem mistura ou interferência de produtos como fibras sintéticas. Consequentemente, é mais caro, porém duradouro. Esse material possui subcategorias que são usadas no mercado, que você confere na sequência:

  • Mogno: nobre e sofisticado, tem coloração que pode variar entre castanho avermelhado e rosado. Tem alta durabilidade e fácil de ser trabalhado, além de resistente a fungos e cupins. Porém a pedra no sapato é que a sua extração é acompanhada da ameaça de extinção dessa espécie, proveniente do Sul do Pará.

mogno

  • Itaúba: tipo de madeira muito resistente ao ataque de organismos externos. É característica do Norte do Brasil e costuma passar por um processo de secagem artificial, o que pode aumentar a chance de rachaduras.

itaúba

  • Cumaru: considerada a melhor madeira para móveis e também a mais difícil de ser trabalhada. Ela é bastante rígida e tem sido utilizada bastante na fabricação de pisos. Combina com ambientes rústicos e industriais.

camaru

  • Carvalho Americano: o carvalho americano tem uma durabilidade moderada. Apesar de sua beleza ímpar, não tem resistência grande a insetos. Precisa ser bem cuidado porque tem facilidade para ter deformações. Recomenda-se não deixar em lugares muito quentes.

carvalho americano

  • Cedro: considerada uma madeira versátil, o cedro é fácil de ser manuseado pelo marceneiro. Entre suas principais características estão a pouca permeabilidade, secagem rápida, resistência a insetos e a microorganismos.

cedro

  • Pinus: do ponto de vista ambiental, essa é a melhor opção, pois se trata de madeira de reflorestamento. Apresenta boa resistência, durabilidade, de alta qualidade e tem uma tonalidade mais clara.

pinus

  • Pinho: também apresenta um aspecto rústico, possui uma boa capacidade de resistência, embora não seja imune a pequenos arranhões. Tem um custo mais elevado e deve ser adquirida por quem pretende ter a peça por muito tempo.

pinho

Madeira de demolição

Extraída de outros móveis prontos e peças de construções antigas, a madeira de demolição apresenta uma aparência rústica. Não é exatamente a melhor opção para móveis e passa por um tratamento industrial antes do reuso.

Compensados

A madeira compensada, também conhecida como contraplacado, é feita de finas placas de entalhamento de madeira, coladas umas nas outras. Elas são unidas pela ação do calor e pressão com uma cola do tipo resina fenólica. As vantagens no uso dos compensados são a resistência ao rachamento, ao encolhimento e à torção. Esse tipo de madeira tem subcategorias como os laminados, folheados, sarrafeados ou combinações deles. É de uma qualidade boa, dura mais tempo e costuma ser um pouco mais caro.

Aglomerados ou MDP

Esse tipo de madeira é feito a partir da aglomeração de partículas prensadas em média densidade, do inglês medium density particleboard, ou MDP. Atenção, porque são diferentes do MDF. São compostos por três diferentes dimensões de madeira unidas por resinas especiais e prensagem quente. A sua superfície costuma ser mais dura e densa do que o seu interior. Esse material é um pouco mais barato e tem aumentado cada vez mais a sua qualidade. O ponto fraco é que os aglomerados não costumam resistir à umidade direta.

MDF

Um dos tipos mais populares, o MDF tem esse nome por conta do seu processo de produção. Medium density fiberboard, ou painel de fibras de densidade média, é feito por aglutinação de fibras de madeira coladas com resina sintética e outros aditivos. Diferente do MDP, citado anteriormente, que é elaborado com partículas de madeira, e não com fibras de madeira.

É um produto relativamente recente, começou a ser fabricado nos anos 1960 nos Estados Unidos e nos anos 1970 na Europa. Por conta do uso de formaldeído nas resinas durante a confecção, há riscos de saúde envolvidos, por isso quem for manipular o produto deve manter medidas preventivas. O MDF, assim como os aglomerados, são mais baratos. Porém a desvantagem aqui é que eles também são sensíveis à umidade e suportam menos peso.

Esses são os principais tipos de fabricação de madeira. Além deles, existem alguns que são mais utilizados no acabamento como fórmica, que são folhas finas de madeira agrupadas dando aquele acabamento laminado; e também as folhas de madeira, que seguem essa mesma lógica de finalização, mais comum em objetos como portas e janelas.

Quais as características de um bom marceneiro em São Paulo

Antes de contratar um profissional da marcenaria, é importante ficar atento ao conjunto de características que ele tem a oferecer. Não adianta cobrar um preço muito barato e o serviço final não ser bom, assim como não adianta ser caro demais para uma entrega apenas ok.

Caso você consiga arrumar um tempo, observe os trabalhos anteriores do marceneiro, peça para ele te mostrar peças confeccionadas por ele. Se o profissional fizer uso de redes sociais para mostrar seu trabalho e conquistar clientes, você pode acompanhar por lá com mais tranquilidade. 

Agora que você já entende o mínimo sobre os tipos de madeira, avalie com o marceneiro as disponibilidades que ele tem e peça mais de um orçamento, com mais de um tipo de madeira. Assim, será possível ter uma noção do melhor custo benefício para os seus propósitos. Não se esqueça sempre de negociar o valor final.

Um bom marceneiro em uma cidade como São Paulo é aquele que conseguiu sobreviver em meio a um cenário onde cada produto passou a ser fornecido por grandes indústrias. Se ele permanece ativo, a chance do seu produto ser bom é grande.

Onde buscar um bom marceneiro em São Paulo

Após a definição do tipo de madeira e do perfil do profissional que você prefere para a confecção do móvel ou dos móveis que você pretende obter, é hora de ir à busca.

Encontrar um bom marceneiro em São Paulo pode ser muito trabalhoso se você utilizar o método analógico de entrar nas poucas marcenarias espalhadas por aí sem fazer uma pesquisa antes. Dependendo do caso, não ficar atento à pesquisa pode te levar ao marceneiro mais caro. 

Se você pretende ter um bom custo benefício, hoje em dia a internet pode ser uma grande aliada nessa busca. É possível fazer manualmente, um por um, através de buscadores virtuais como o Google, ou você pode terceirizar essa tarefa e pedir os serviços de um marceneiro por aplicativos como a Fix. Nós já fizemos essa etapa para você: levantamos os melhores profissionais e nos certificamos de que eles entregam um ótimo produto sem cobrar preços absurdos.

Nossos marceneiros fazem: manutenção, conserto, fabricação de móveis sob medida, substituição de dobradiças e corrediças, instalação e remoção de móveis planejados e muito mais. Tudo para facilitar a sua vida e a sua casa mais bonita.

Chame a Fix!

O aplicativo de serviços que conecta você aos melhores prestadores para consertos, reparos, instalações e manutenções na sua casa.

Gostou do texto? Então deixe seu comentário e interaja com os nossos perfis nas redes sociais.

Atualizado em: